São Luiz Gonzaga: o que fazer na terra do carreteiro e da música missioneira
27 de outubro de 2020
São Paulo das Missões: turismo baseado na fé
29 de outubro de 2020

São Miguel das Missões: roteiro com ruínas, religião e misticismo

São Miguel das Missões é um dos destinos mais aguardados pelos turistas que visitam a região gaúcha das Missões. Para nós, não foi diferente e por isso vamos contar como foi nosso roteiro pelas ruínas de São Miguel das Missões e por outros tantos atrativos turísticos da cidade.

São Miguel das Missões preserva a história, a relação com as tribos guaranis e as tradições missioneiras com muito afinco. Isso é percebido logo no pórtico de entrada. O letreiro escrito em guarani saúda os visitantes com a célebre frase “esta terra tem dono”, que teria sido dita pelo índio Sepé Tiaraju durante a Guerra Guaranítica. 

Outra característica marcante de São Miguel das Missões é a hospitalidade do povo, que tem muito orgulho das origens e celebra a cultura missioneira com muito amor.

Indicamos um roteiro de pelo menos dois dias na cidade, para que você consiga fazer as visitas com calma e descubra lugares preciosos. Nosso roteiro passou pelas ruínas de São Miguel das Missões e por pontos históricos e culturais que vamos indicar aqui.

Roteiro em São Miguel das Missões

O ponto mais visitado em toda a região da Missões jesuíticas é com certeza as ruínas de São Miguel das Missões, que são cartão-postal do Rio Grande do Sul.

O local já foi cenário de filmes, séries e até de grandes espetáculos com artistas como o tenor espanhol André Carreras.

Sítio Arqueológico de São Miguel Arcanjo

Com certeza, as Ruínas de São Miguel das Missões são a atração mais esperada e visitada pelos turistas que visitam a região. 

Logo ao chegar sentimos uma energia diferente proporcionada pelo local, que desperta sensações únicas, principalmente de fé e espiritualidade. 

Logo na entrada já é possível avistar a antiga igreja jesuítica. O templo começou a ser construído em 1735 e levou dez anos para ser finalizado.

A antiga igreja de São Miguel das Missões foi feita em pedra arenito, com forros em madeira e coberturas com telhas cerâmicas. A obra foi iniciada pelo padre espanhol Francisco de Rivera, responsável pela capela-mor e sacristia. 

Ao chegar mais perto da construção, notamos que ela é bem grande e que cada detalhe foi pensado e organizado de forma com que ela se tornasse um grande símbolo das Missões. O local é considerado Patrimônio Histórico da Humanidade pela Unesco, é declarado Patrimônio Cultural pelo Mercosul e ainda possui o maior acervo arqueológico do período jesuítico-guarani.

Em um dos pontos da igreja, se você olhar para cima verá que a junção das paredes e do teto forma uma cruz missioneira. É lindíssimo

A alguns metros das ruína está o museu e a famosa Cruz Missioneira. Os guias que conduzem a visita gostam de lembrar que vale a pena colocar as mãos na cruz e fazer um pedido, que geralmente se realiza!

Outra atração dentro do sítio arqueológico é o Museu das Missões, que tem muitas obras sacras, incluindo sinos e esculturas.

Espetáculo Som e Luz nas ruínas de São Miguel das Missões

Sob a luz da lua, as ruínas de São Miguel ganham um show à parte. 

O Som e Luz, que ocorre diariamente, às 20h, é atração imperdível na cidade. Criado em 1978, o espetáculo tem narração a partir das vozes de atores como Fernanda Montenegro, Fernanda Torres e Lima Duarte.

Ao longo de quase 50 minutos, é contada a história dos índios guaranis, da formação da redução de São Miguel Arcanjo até o momento da Guerra Guaranítica. A história é conduzida por luzes projetadas em cada cantinho do sítio e sons que saem de diferentes locais do parque.

Saímos de lá fascinadas com a história e a estrutura do espetáculo!

Para assistir ao Som e Luz, em setembro de 2020 era cobrado um valor de R$ 25 para o público em geral. Estudantes e pessoas com mais 60 anos pagam R$ 10.

Artesanato de São Miguel da Missões

Quando a gente viaja adora levar uma lembracinha pra casa! Em São Miguel das Missões há algumas opções de lojas com artesanato na saída do Sítio Arqueológico.

Em quase todas as lojas você encontrará esculturas de bichinhos – em especial a coruja, que é o símbolo das Missões – estátuas da Cruz Missioneira, esculturas feitas em pedras de arenito, porta-cuias, entre outros produtos muito bem trabalhados e com detalhes bem produzidos.

Um dos lugares que visitamos foi o artesanato Avambaé. A casinha amarela com um balanço na frente é muito bonitinha e chama a atenção de longe. 

No Avambaé são vendidos diferentes tipos de produtos, entre esculturas, terços, chaveiros e lembrancinhas missioneiras.  

Passeio de Dindinho Missioneiro

Depois de conhecer o famoso Sítio Arqueológico, iniciamos um rápido City Tour pela cidade. Para realizar o passeio, embarcamos no Dindinho Missioneiro, que é uma espécie de vagão puxado por um carro.

O passeio com o Dindinho Missioneiro é feito mediante agendamento, e tem capacidade para 20 lugares. Quem nos acompanhou na viagem foi o idealizador do projeto, Robson Bedates e pudemos percorrer os principais pontos da cidade.

O Dindinho Missioneiro passa em locais como Centro da cidade e a Praça Guarani, onde fica o Monumento de São Miguel Arcanjo e a Igreja Matriz São Miguel Arcanjo. 

Manancial Missioneiro

Do lado de fora do Manacial Missioneiro você acha que está num lugar um tanto estranho. Chão de terra batida, esculturas pelo pátio e uma fumacinha de defumação chamam a atenção.

Depois que você conhece a alma do Manancial Missioneiro passa a entender o propósito do lugar. Comandado pelo pesquisador Valter Braga, o empreendimento tem atividades místicas e Valter prepara um lindo ritual com erva-mate. A prática indígena de purificação utiliza elementos como fogo, erva-mate e um cajado.

Valter coordena a bênção e ajuda a espantar as energias negativas das pessoas que vão até lá.

Além de ser um lugar para se energizar, o Manancial funciona também como um museu. Lá são preservadas peças que restaram pós-guerra guaranítica e que fizeram parte da história missioneira, todas elas coletadas por Valter.

Fonte Missioneira

Pertinho do centro da cidade está a Fonte Missioneira, única das sete fontes jesuíticas que foi encontrada na região.

A Fonte Missioneira foi descoberta em 1983, durante uma escavação, e hoje funciona como ponto turístico. 

Junto à fonte, estão esculpidos três anjos querubins. Quem a visita encontra também um pequeno parque repleto de taquareiras. 

A entrada é gratuita. Nesse período de pandemia, ela está fechada, ainda sem previsão de abertura para visitantes.


Borraio Minhas Origens

Para quem deseja conhecer a fundo um pouco da vida na roça, no interior de São Miguel das Missões, na localidade de Mato Grande, está o Borraio Minhas Origens.

A residência fica a 10km do centro. Na propriedade, Jânio e Giane Guasso apresentam o que eles chamam de “Museu do Colono”. É uma área muito simples que reúne antiguidades que simbolizam a vida na roça. 

O acervo conta com mais de 500 peças que preservam a história dos colonizadores gaúchos e italianos da cidade.

É possível conhecer um pouco da vida rural, fazer passeio a cavalo, ver animais da propriedade e provar um delicioso café, servido pela família de Jânio. 

O lugar pertencia à família de Jânio e aos poucos está sendo reestruturado para receber turistas. 

Onde comer em São Miguel das Missões

Vamos indicar duas opções de restaurantes na cidade que apresentam uma comidinha bem caseira, com várias opções de saladas e carnes. Os dois estabelecimentos servem buffet a quilo, com saladas, arroz, feijão, carnes, massas e sobremesa inclusa.  

Recantu’s:  Av. Borges do Canto, 1344 / Fone: (55) 3381-1328

Sabor Missioneiro: Av. Borges do Canto, 1926 / Fone (55) 3381-1060

Texto da jornalista Nicole Fritzen

Você também pode gostar destes conteúdos

Como é visitar Santo Ângelo (RS), uma das principais cidades da região das Missões

Conheça o Santuário do Caaró, na cidade de Caibaté (RS)

Como é viajar de ônibus em plena pandemia 

Conheça o sítio arqueológico de Entre-Ijuís 

Comentários

comentários