O que fazer na Serra gaúcha: 5 programas com bom custo-benefício
12 de agosto de 2018
Londres: onde fica o melhor bar do mundo
27 de agosto de 2018

Escondido na rota dos Caminhos Germânicos, entre Gramado e Nova Petrópolis, está o Parque Tomasini. Localizado na RS 235, no km 31, o Parque é aquele lugar para curtir com a família e amigos e se reconectar a natureza.

Lagos, morros, pinheiros e araucárias trazem paz para o Parque Tomasini. | Foto: Eduarda Bitencourt

 

Além de belas paisagens, no Parque você também encontra atividades como tirolesa, pedalinhos, passeios a cavalo, karts, um restaurante, loja e a Mina (falamos mais abaixo). O local conta com muito espaço ao ar livre, então a dica é ir em um dia de sol para que você possa aproveitar muito. Nós indicamos que deixe um dia inteiro visitar o local, afinal não faltam programas e atividades para se fazer para se fazer.

Jardim ao lado da mina é local perfeito para fotos e chimarrão. | Foto: Eduarda Bitencourt

O parque funciona das 9h às 18h (e as atrações das 9h às 17h30). No dia em que fomos não estavam cobrando entrada, mas geralmente o valor é de R$ 5 e é revertido em bônus para as atrações do local. A nossa dica de roteiro fica toda dentro do Parque começando por conhecer a loja do local, caminhar pelo terreno, visitar a Mina, almoçar no Carazal e depois escolher mais alguma das atividades do parque para fechar o dia.

 

Mina de tesouros

Mina causa expectativa já na entrada. | Foto: Eduarda Bitencourt

Depois de passarmos na lojinha do local, que é cheia de artesanato e roupas de frio, nós decidimos rumar para a Mina. A loja do Parque Tomasini foi muito importante para o passeio, porque foi lá que tivemos uma super dica. O ingresso para a Mina custa R$ 20, mas se fecharmos o almoço no Carazal, que custa R$ 40, a visitação a Mina sai como cortesia!

Mina tem riachos submersos junto com as pedras. | Foto: Eduarda Bitencourt

Com a economia feita e local do almoço definido, decidimos nos aventurar pela Mina que fica localizada no centro do parque. A experiência é incrível, são mais de 80 metros de túneis subterrâneos que dão a sensação de se estar em uma mina de verdade. O percurso é guiado, o que nos oferece uma aula sobre o geologia da região.

Museu abriga coleção com mais de 1000 exemplares! | Foto: Eduarda Bitencourt

São citrinos, ametistas e quartzos dividindo espaço com os equipamentos de mineiros.É impossível não se encantar com o brilho das pedras que saem das paredes naquele ambiente. Saindo da Mina fictícia temos acesso ao museu, lá existem mais de mil pedras preciosas de todo o Brasil e do mundo. O museu também conta com fósseis, meteoritos e geodos de mais de três metros de altura. O espaço acaba em um corredor com paredes lotadas de pedras que dão acesso a loja da Mina. Lá é local para se pedir saúde, paz e amor.

Paredes de pedra energizam os visitantes. | Foto: Eduarda Bitencourt

Depois de todo o passeio e das explicações, fica quase impossível não levar algo da loja. Você encontra bijuterias, objetos decorativos, talheres, taças, globos, copos e artigos religiosos feitos nas pedras sobre as quais tivemos aulas minutos antes. É literalmente de encher os olhos e a cesta de compras.

Geodos são atrações no museu. | Foto: Eduarda Bitencourt

Restaurante Carazal

O Restaurante Carazal fica no meio do parque e é aposta certa para quem gosta de comida campeira. No pacote que fechamos, o buffet é livre e incluía bebidas (sucos e refrigerantes) e sobremesa no pacote também. Nos apaixonamos pela massa caseira com molho de queijo de lá!

Restaurante Carazal com vista para o lago. | Foto: Eduarda Bitencourt

O ambiente parece um galpão antigo e é super acolhedor. As mesas com visão para fora nos permitem comer enquanto apreciamos a vista do parque. Além disso, há música ao vivo e couvert é opcional no valor de R$ 5.

 

Passeio a cavalo

Depois de curtir o solzinho pós almoço, foi a hora de fecharmos o roteiro com um passeio a cavalo. O passeio custa R$ 25 por pessoa, mas para grupos pode-se negociar o preço e nós conseguimos fazer por R$ 20.

Passeio a cavalo encerra no meio das árvores.

O percurso dura aproximadamente 15 minutos e passa por pontos do parque em que não é possível se conhecer apenas caminhando. Junto de um guia, conhecemos as lindas paisagens formadas por araucárias, riachos, pedras e muito verde. Os cavalos são bem calmos e logo nos primeiros minutos nos acostumamos a eles podendo seguir o passeio tranquilamente. Nós garantimos que a experiência é única e não vão existir dificuldades, mesmo para aqueles que nunca andaram a cavalo antes.

 

*Texto: Eduarda Bitencourt

 

 

 

 

 

 

Leia mais:

O que fazer na Serra gaúcha: 5 programas com bom custo-benefício

 

Comentários

comentários