UFO Space: coworking em Porto Alegre mescla arte e negócios
24 de junho de 2019
Clearwater: a melhor praia dos Estados Unidos
26 de junho de 2019

Dicas de Recife: Cais do Sertão e Paço do Frevo

Texto de Emilene Lopes*

O Cais do Sertão e o Paço do Frevo, em Recife, são verdadeiros passeios pela cultura nordestina!

Que Pernambuco tem praias de tirar o fôlego os brasileiros (e gringos!) já sabem.

Agora, quem também quer dar um mergulho na cultura nordestina tem parada obrigatória na capital do estado.

Foto: Emilene Lopes

Fugir um poucos dos destinos mais tradicionais é uma forma de conhecer melhor a cultura de um povo.

Está montando o roteiro de viagem ou escolhendo onde ir em Recife?

Então fique ligado que vou apresentar o Cais do Sertão e o Paço do Frevo!

Dicas de Recife: conheça o Cais do Sertão e o Paço do Frevo

Vai para Recife e quer entrar na cultura nordestina?

Minha dica é o Cais do Sertão e no Paço do Frevo.

Você pode curtir as duas programações no mesmo dia, a pé, por preços acessíveis.

Continue lendo que vou contar porque estes lugares foram os meus favoritos na viagem para a capital pernambucana.

Uma homenagem ao sertanejo

Foto: Divulgação

Localizado na beira do rio Capibaribe, ao lado do Marco Zero, o Museu Cais do Sertão foi inaugurado em 2014.

Ele ocupa uma área de 7.500 m² do Armazém 10 do Porto do Recife.

A exposição permanente é sobre a vida e obra de Luiz Gonzaga, um dos maiores músicos nordestinos. 

Mas, ao contrário do que se possa pensar, o acervo não se trata de algo somente biográfico, contando a vida do Rei do Baião.

Logo no início, no primeiro andar, o visitante é convidado a conhecer o sertão, com suas características geográficas e personagens históricos.

Foto: Divulgação

Por meio de vídeos, historiadores, biólogos e os próprios nordestinos entendemos os aspectos que contribuíram para a formação da cultura sertaneja.

É como se, ao perceber o meio que cercava Luiz Gonzaga, fique mais fácil entender sua obra e importância.

Foto: Emilene Lopes

Alguém que vestiu, literalmente, a sua herança nordestina e conseguiu fazer sucesso no país inteiro, furando uma bolha sulista.

Não vá com pressa, pois há muitos recursos para explorar no Cais do Sertão e é necessário tempo para absorver o conteúdo.  

Foto: Emilene Lopes

No segundo andar há salas com equipamento de karaokê para cantar, instrumentos para tocar e uma série de vídeos com depoimentos de nordestinos contando suas histórias de vida.

É emocionante! 

A memória do frevo 

Foto: Divulgação

O Paço do Frevo é o centro que preserva e divulga essa expressão artística tão importante para a cultura brasileira.

À 300 metros do Cais do Sertão, o lugar preserva a memória do movimento que nasceu em Pernambuco e hoje é reconhecido como Patrimônio Imaterial da Humanidade pela Unesco.

Foto: Emilene Lopes

O guia te conduz por uma linha do tempo, onde você consegue visualizar toda a evolução do frevo.

Há informações por todos os lados. Frases, trechos de músicas, folhetos com a história contada ano a ano, durante todo o século XX até os dias de hoje.

Mas, acredito que o mais hipnotizante sejam as fotografias das décadas 30, 40 e 50 distribuídas nas paredes do corredor bem no início do Paço. 

Foto: Emilene Lopes

Nelas, é possível enxergar a raiz do frevo, com as multidões ocupando as ruas, os incríveis saltos dos dançarinos e até a vigilância da polícia que, no início, atuava tentando controlar o movimento.

É fácil perceber a intensidade, paixão e vontade popular que fizeram parte da concepção do frevo.

O último andar é uma espécie de santuário, com vários estandartes antigos de blocos carnavalescos e grupos de frevo.

E o mais incrível é que você pode caminhar sobre eles. Isso mesmo, eles estão em caixas transparentes no chão!

Pelas paredes, o período do Carnaval é representado por fotografias que mostram toda a festa do povo pernambucano até a ressaca da quarta-feira de cinzas.

Foto: Emilene Lopes

Nesse espaço, os vidros das janelas também têm trechos de frevos.

Mas, um dos maiores detalhes parece ser também o menor ali: o teto coberto de recortes de homens e mulheres de mãos dadas. 

Eles preenchem todo o salão, assim como as multidões ocupam as ruas no Carnaval.

Foto: Emilene Lopes

O frevo é uma construção coletiva, colaborativa e genuinamente popular. “O frevo não convida. Arrasta.”

Anota aí

Cais do Sertão

Endereço: Av. Alfredo Lisboa, S/N, Recife Antigo.

Horário: Terça a Sexta: 9h às 17h. Sábado e Domingo: 13h às 17h

Entrada: R$ 10 (inteira) e R$ 5 (meia). Gratuito às terças-feiras. 

Paço do Frevo

Endereço: Praça do Arsenal da Marinha, S/N, Recife Antigo.

Horário: terças a sextas, das 9h às 17h;  sábados e domingos, das 14h às 18h

Entrada: R$ 8 (inteira) e R$ 4 (meia). Gratuito às terças-feiras.

*Emilene Lopes é gaúcha, tem 27 anos e, como boa jornalista, adora conhecer novas histórias. Acredita que viajar é uma das maneiras mais gostosas de aprender sobre si mesmo e o outro.




Comentários

comentários