Uma nova vida na Flórida
19 de junho de 2017
Vivendo 70 dias na Áustria
26 de junho de 2017

Um presente chamado Praia do Forte

Sou daquelas pessoas que poderia ser sempre presenteada com viagens. Por isso em um dos aniversários do meu marido decidi dar uma viagem para ele com segundas intenções: queria revisitar a Praia do Forte, na Bahia.

Claro que o presente vinha com acompanhante (e era euzinha!). Então logo me programei para o passeio, feito em um mês de agosto – ótimo para a gente tirar o “mofo” do corpo, já que moramos no Sul.

Embora fosse inverno, época que geralmente chove por lá, tivemos muita sorte e ganhamos 3 dias de sol e calor!

Olha nós dando risada da vida na Praia do Forte, Bahia. Foto: Arquivo pessoal

A 50 quilômetros do aeroporto de Salvador, a Praia do Forte é um destino que realmente vale a pena.

A natureza fez o trabalho de oferecer um litoral com 12 quilômetros de coqueirais, dunas, lagoas, piscinas naturais e águas claras – algumas pessoas chegam a chamar a região de Polinésia brasileira – eu já não posso afirmar isso porque não conheço a Polinésia! (kkk)

Caminhar pela areia fofinha é bom para reconhecer a praia. Foto: Anelise Zanoni

 

Charmosa vila de pescadores

Pelas ruas, árvores centenárias e flores serpenteiam o caminho de paralelepípedos que percorre a Vila de Pescadores.

O local é um charme e ponto de encontro das pessoas. Há uma simpática igreja e nas casinhas que estão ali perto há lojas de artesanato, confecções e suvenir e também bares e restaurantes (achei os valores um pouco caros…). No passado não muito distante,  a vila abrigou residências modestas.

Praia e aventura na Praia do Forte

Na orla, centenas de coqueiros se destacam e fazem parceria com a areia grossa. Com tantas paisagens, não basta contemplar. É preciso aventurar-se!

 

Nas piscinas naturais do Lorde e do Papa-gente, o mergulho livro é um convite para conhecer a diversidade da vida marinha. Formadas por recifes de corais com profundidade máxima de três metros, as piscinas abrigam variedades de peixes, polvos, lagostas e crustáceos. Mas é legal conhecer a tábua de marés para chegar lá no momento certo!

Foto: Anelise Zanoni

Na Lagoa do Timeantube, as águas avermelhadas do Rio Iaçu se espalham na várzea, favorecendo passeios de barco e de caiaque. Nós não fizemos, mas dizem que a bordo é possível navegar em meio a plantas aquáticas e observar a movimentação dos 249 pássaros catalogados na região. Com sorte, e com um binóculo, encontram-se animais silvestres perambulando entre as árvores.

Tem até castelo

Considerada a mais antiga construção de pedra do Brasil, o Castelo Garcia D’Ávila é um acervo da  história do país. Erguido a partir de 1551, no alto da colina do Tatuapara, a construção, chamada de Casa da Torre, serviu de inspiração para o nome da

Praia do Forte e guarda até hoje características medievais. O trajeto até o castelo pode ser feito de carro, a pé ou de bicicleta (por uma ciclovia).

Projeto Tamar

Considerada a principal área de desova de tartarugas da costa brasileira, a Praia do Forte é a sede de uma das primeiras bases do Projeto Tamar. E, na minha opinião, um dos passeios mais legais!

Conhecer as instalações do projeto é quase uma obrigação para quem visita o balneário.

O Tamar fica bem Vila dos Pescadores e oferece uma aula de biologia, ecologia e conscientização ambiental. São variedades de aquários gigantes e piscinas com peixes, arraias, tubarões e muitas espécies de tartarugas. O local ainda tem o Museu da Tartaruga, banheiros temáticos e loja de suvenires.

Bahia para quem quer relaxar

Os contrastes de Porto Seguro

Comentários

comentários