Onde comer em São Paulo: restaurantes que fazem uma viagem no tempo
19 de junho de 2018
Ivoti (RS) é uma cidade que resiste ao tempo
28 de junho de 2018

Agenda apertada, viagem de final de semana e uma grande lista de lugares para conhecer é uma equação difícil de equilibrar, mas garantimos que é possível fazer tudo isso com muita organização e planejamento prévio. Fizemos isso em um final de semana por São Paulo, e a sensação de volta para casa foi de férias longas e energias renovadas.

A saída do aeroporto na sexta-feira nos levou diretamente para a era medieval, como já falamos em outro texto.  Antes de dormir, era hora de sentar e planejar o outro dia – literalmente abrir o mapa do metrô e decidir a rota. O metrô pode parecer confuso à primeira vista, mas ele é um dos melhores jeitos de se locomover dentro da cidade. 

Nunca esperamos mais de 5 minutos para embarcar, não passamos por nenhum aperto e sempre havia algum segurança para nos auxiliar.  A dica para facilitar a locomoção é decorar os sentidos dos trens, que são as últimas estações de cada linha.

Mapa do Metrô de SP | Foto: Divulgação

O primeiro destino foi a Rua 25 de março, era dia de compras. Lista de compras na mão, disposição e paciência com o tumulto são essenciais para encarar a rua que é considerada o maior centro comercial da América Latina. É tanta coisa acontecendo ao mesmo tempo que pode se tornar confuso no início, mas logo você acostuma com o barulho e se adapta ao ritmo das pessoas. Entre uma compra e outra, recomendamos experimentar o pastel de feira do local, ele vai te trazer ânimo para continuar a jornada.

 

O Oriente é aqui!

Com mochilas (e malas!) cheias, embarcamos no metrô com rumo ao tradicional bairro Oriental, o Liberdade. Aqui já falamos sobre algumas das coisas incríveis desse bairro, mas desta vez decidimos ir de combo almoço + feirinha + mercado oriental. Almoçamos no Itikiri Cozinha Oriental, um buffet que foge dos sushis tradicionais para trazer temperos e sabores que não estamos acostumados. O frango de lá é maravilhoso e o restaurante tem um ótimo custo benefício.

Rua lotada e sentimento de estrangeirismo, bem-vindo ao Liberdade! | Foto: Júlia Maciel

Sábado é dia de feira no Liberdade e não dá para deixar esse programa de fora do roteiro. A arquitetura é linda e a cultura mais impressionante ainda, é bem comum encontrar senhores lendo jornais em mandarim ou senhoras conversando nessa língua. Uma das coisas que mais gostamos é conversar com os donos das bancas de produtos orientais, eles foram super simpáticos e adoram contar histórias sobre as tradições deles.

Amuletos vendidos em uma das barraquinhas | Foto: Eduarda Bitencourt

Bagagem de histórias aumentada, paramos no mercadinho que vende comidas orientais.  Lá encontramos algumas coisas tradicionais com hashis e lámen, mas também algumas bem loucas como chiclete de refrigerante, salgadinho de frutos do mar e refrigerante de café.

Recomendamos muito o Koalas, biscoitinho recheado com chocolate em forma de bichinhos. Não conseguimos ir no jardim oriental pois ele fecha às 17h e pegamos muita fila no mercado.

Conversar com os feirantes fará sua bagagem voltar mais cheia de histórias. | Foto: Júlia Maciel

Troca cultural feita, rumamos para a Av. Paulista. É o clichê de São Paulo, mas um dos lugares mais legais para se visitar. A diversidade é tão grande que você encontra de tudo por lá, são artistas de rua, músicos, atletas, empresários dividindo a avenida com o trânsito e o concreto. A Paulista fechou o nosso roteiro de sábado junto com a lancheria Zé do Hambúrguer.

 

Respiro verde

Se o clima de verão implorava por um passeio ao ar livre, domingo foi o dia de curtir o Parque Ibirapuera. Um sopro verde no meio do concreto de São Paulo, o parque é aquele lugar para curtir com família e amigos. Alugamos bikes por R$ 7/hora e percorremos o parque todo duas vezes. Por ser domingo de manhã, o local estava bem cheio, eram ciclistas, skatistas, famílias e atletas, mas tudo muito organizado e todo mundo sabia dividir o espaço. Lá, encontramos um time de futebol americano treinando, uma orquestra ensaiando e até mesmo um pessoal jogando polo com bicicletas!

Se São Paulo às vezes pode parecer cinza, o Ibirapuera é sempre verde! | Foto: Júlia Maciel

A vibe do lugar é incrível, desacelera o ritmo frenético de SP e nos permite curtir o momento. Na pausa das pedaladas conseguimos até tomar uma água de coco enquanto olhávamos o lago do parque.

Uma das coisas mais legais do parque é o aluguel de bicicletas, dá para conhecer tudo enquanto pedala! | Foto: Daniel Lira

 

Se antes o respiro era de natureza, saímos do Ibirapuera para respirar arte no Beco do Batman. Mais do que o lugar para a foto perfeita do insta, o beco é aquele lugar que te inspira a sair de lá criando algo. São pessoas diferentes, vindas de lugares diferentes e unidas pela arte. O grafite nas paredes e as mensagens inspiradoras só reforçam o clima de respeito, criatividade e afeto que existe lá.

A série “favela gourmet” do artista Du Lira que encontramos no Beco | Foto: Júlia Maciel

São quadros, camisetas, colares, pulseiras, decoração e produtos de higiene feitos de forma artesanal em cada canto que olhamos. Comprar lá é apoiar os pequenos artistas e reconhecer que arte é para todos.

As cores dos grafites chamam a atenção no Beco do Batman | Foto: Júlia Maciel

A fome bateu quando estávamos saindo do Beco do Batman e decidimos conhecer a Carlo’s Bakery no bairro Jardins. Famosa pelo programa Cake Boss, a padaria muitas vezes tem o movimento intenso tornando difícil o acesso. Tivemos sorte e no início da tarde de domingo o local estava pouco movimentado. Os funcionários são super simpáticos e te ajudam a escolher em meio ao mar de doces. O cupcake Red Velvet de lá definitivamente ganhou meu coração.

Red velvet da Carlo’s Bakery, melhor cupcake de todos! | Foto: Júlia Maciel

 

Música como ponto final

O 22º Cultura Inglesa Festival foi o responsável por fechar o roteiro do final de semana. O festival acontece todo ano com uma programação lotada de atrações culturais e se encerra com um grande show. O melhor? É tudo de graça!

Show do George Ezra encerrou o roteiro | Foto: Camila Picolo/Cultura Inglesa

Esse ano, o show de encerramento era o grande motivo de irmos para SP. Na programação estava a banda Madame Groove, a cantora IZA e o músico britânico George Ezra, que estava estreando no Brasil. Para um público apaixonado de milhares de pessoas, George divulgou o álbum inspirado em uma viagem na Espanha, o Staying at Tamara’s. Antes de tocar Barcelona, ele explicou que esse álbum era sobre se encontrar e descobrir coisas novas sobre si estando em outro lugar. A certeza que fica é que viagens nos inspiram a escrever músicas, textos e compartilhar bons momentos com as pessoas.

 

***Texto: Eduarda Bitencourt, estudante de Jornalismo e apaixonada por viagens e histórias.

 

 

Leia Mais

 

Onde comer em São Paulo: restaurantes que fazem uma viagem no tempo

Roteiro de um dia em São Paulo: entre museus, coxinhas e parques

 

Comentários

comentários