Glaciares Grey, Perito Moreno e escalada ao Vulcão Villarrica: roteiro completo de moto pela América do Sul
10 de dezembro de 2017
Dei perda total no meu carro mas vivi uma TravelTerapia
15 de dezembro de 2017

Natal Luz de Gramado: A primeira viagem com um bebê

Poderia ser apenas a primeira viagem com um bebê, mas em dezembro de 2016  fiz a primeira Travelterapia como mãe.

Depois de passar os meses mais intensos da minha vida, com direito a um final de gravidez praticamente em cárcere privado (fui obrigada a ficar de repouso no fim do sétimo mês), um trabalho de  parto de quase 15 horas, 18 dias de UTI neonatal e meses de noites mal dormidas, eu realmente precisava sair da cidade para me sentir viva.

Para mim, viajar sempre foi se reconectar. E diante de tantas coisas que haviam ocorrido, eu precisava muito daquela experiência de volta. Embora naquele período eu já começasse a pesquisar destinos para levar o bebê, foi meu marido que percebeu que eu precisava sair do ar.

No dia do meu aniversário nos presenteou com duas diárias em Gramado (RS), que fica a uns 100 quilômetros de casa. Desde criança visitamos a serra gaúcha, mas daquela vez foi diferente.

Nosso primeiro passeio a três foi terapêutico. Com bebê no carrinho, pela primeira vez caminhei totalmente sem pressa pelas ruas de Gramado e aproveitei para curtir o Natal Luz de Gramado (era dezembro!). Comprei um saco de pipocas gigante e o devorei como se fosse a quinta maravilha do mundo!

A fantasia do Natal, as luzes espalhadas pelas ruas e a quantidade de crianças circulando felizes pela cidade me deram nova energia. Empurrando o carrinho do bebê, olhava para os lados e sorria.

Existe vida na maternidade, pensei! E assim descobri também que existe um outro universo: as viagens em família.

E naquele final de semana aproveitamos para ver o espetáculo de som e luzes em frente à rua cobertura. Fiquei encantada com a qualidade do evento e, no final, ainda fui surpreendida pela neve feita com espuma de sabão que caía do céu!


Sair da toca me mostrou que algumas vezes o destino é coadjuvante de uma viagem e que a vida simples e ao lado do nosso quintal pode ser muito gostosa. Ver meu filho dentro do carrinho, enrolado em um cobertor comprado de última hora e me sentir feliz me fez suspirar e ter ainda mais certeza de que viajar pode ser libertador.

Depois daquele final de semana prolongado a maternidade ficou mais leve. E sabem o que eu fiz um ano depois desse episódio? Voltei a Gramado e fiquei feliz da vida ao ver o Noah curtindo o Papai Noel, a neve falsa e a cidade que ajudou no meu resgate pessoal!

Comentários

comentários