Roteiro de um dia em São Paulo: entre museus, coxinhas e parques
15 de novembro de 2017
Deixei meu coração em Cusco
23 de novembro de 2017

Voluntariado é opção para trabalhar em outro país

Trabalhar como voluntário em outro país pode ser a alternativa para quem quer morar fora

Uma viagem é uma terapia, isso a gente já está cansado de saber. Mas tem um tipo de viagem que muda a gente e, além disso, faz com que seja possível doar tempo para alguém. Existe um tipo de viagem chamada intercâmbio social, na qual o viajante escolhe a área que ele deseja atuar voluntariamente e passa um tempo em determinada região trabalhando na área social escolhida.

 

As opções são na área de comunidade, educação, empoderamento feminino, esportes, proteção à infância, proteção aos animais e saúde. Entre essas opções é possível determinar o intercâmbio a partir da região que se tem vontade de atuar. Existe a possibilidade de trabalhar, por exemplo, na África do Sul, Índia, Costa Rica, Gana, Nepal, Peru, Quênia, Sri Lanka, Tailândia, Vietnã e até mesmo no Brasil.

No Rio Grande do Sul, os amigos Francisco Cavalcanti e Eduardo Mariano abriram uma agência especializada em intercâmbio voluntário. O Exchange do Bem nasceu exatamente da paixão dos dois em viajar e após passarem por uma experiência de viagem focada no social.

 

Foram 5 semanas no Nepal, e Eduardo voltou mudado. “Eu me senti mais nepalês em um pouco mais de um mês no Nepal do que em um ano na França”, conta.

 

Em 2010, Eduardo fez o primeiro intercâmbio para estudar inglês por dois meses nos Estados Unidos. Em 2012, veio a segunda oportunidade: lá foi ele para França passar um ano. Logo depois da França ele embarcou para o Nepal e foi nessa viagem que a terapia aconteceu.

 

 

Uma coisa que é preciso ter muita consciência quando se embarca para uma viagem neste estilo, é o choque cultural, que pode ser muito grande – muitas situações vividas nesses locais podem ser muito diferentes do que se está acostumado. A imersão cultural proporciona uma vivência inesquecível, mas é necessário saber que a cultura pode chocar por ser tão diferente.

 

Foto: Reprodução/Facebook

Entre os pontos que chamam a atenção está a alimentação e a forma que as crianças são criadas, por exemplo.

Eduardo conta que as pessoas no Nepal não estavam acostumadas com gente de pele clara, então ele era motivo para que elas se aproximassem. Além de ajudar em um orfanato dando muito carinho e cuidando de crianças, ele começou a trabalhar com aulas de inglês.

Ele sempre gostou de crianças, mas acaba só trabalhando com finanças. Então, quando voltou de viagem e estava no trabalho, viu que aquele não era o lugar que queria estar. A ideia era voltar para morar na Europa, mas a agência começou os trabalhos.

Hoje quem vê de fora pensa que ele tem o emprego dos sonhos. “Eu amo meu trabalho, realmente é dos sonhos, mas as pessoas não veem o que está por trás. Eu trabalho muito, 14h por dia, fim de semana, nada é fácil”, conta. Ainda completa dizendo que seu sonho é conhecer melhor a Ásia.

Para conhecer mais desse tipo de intercâmbio é só clicar aqui e conhecer mais do trabalho deles no Exchange do Bem.

Como fazer um intercâmbio voluntário

  1. Escolha a área que deseja trabalhar
  2. Determine a entidade que você será voluntário (a)
  3. Selecione o tempo que você tem disponível para o intercâmbio, de uma até dez semanas ou mais
  4. Verifique se é necessário fazer alguma vacina para a viagem
  5. Aguarde os próximos passos: envio de um kit para a trip e mais informações sobre seu voluntariado

Empresas que também tem esse intercâmbio

Experimento

AIESEC

CI

Deixei meu coração em Cusco

 

Índia é roteiro para descobertas

Comentários

comentários