É preciso coragem para viajar sozinha (e deixar o bebê)
28 de julho de 2017
Cafeteria fofura: o food truck da Hello Kitty
16 de agosto de 2017

Amor internacional leva a descobertas pela Austrália

No começo de 2012 conheci meu futuro parceiro de vida, no interior de Santa Catarina. Era um australiano que estava conhecendo o mundo e que, entre as muitas similaridades comigo, tinha uma grande paixão por viagens.

Foram horas de conversa sobre países visitados e culturas vivenciadas. E então aconteceu um convite para conhecer a Austrália. Eu já havia morado no exterior: vivi dois anos na Europa, mas nunca havia pensado na Austrália como algo possível, principalmente devido à longa distância. Bom, agora eu tinha um excelente motivo para visitar o país!

Claro, algumas coisas não acontecem de uma hora para outra e uma viagem para tão longe envolve um bom planejamento, férias e dinheiro! E para mim isso se tornou possível depois de quase 4 anos de planejamento e muita conversa por Skype com ele.

Primeira vez na Austrália

Vim para Austrália pela primeira vez em novembro de 2015, que é considerada uma excelente época para visitar o país: nem tão frio quanto no inverno, nem tão quente quanto no verão escaldante.

A temperatura amena nos permitiu fazer muitos passeios a céu aberto, essencial já que a Austrália é um país com uma natureza sem igual.

Caminhada de Coogee Beach até Bondi Beach. Foto: Arquivo Pessoal

Visitamos o Royal Botanic Garden, fizemos a caminhada costeira de Coogee Beach até Bondi Beach e passamos um dia no Taronga Zoo, onde pudemos entrar num espaço cheio de cangurus e interagir com os animais. 

Bondi Beach. Foto: Arquivo Pessoal

Vale a pena aproveitar um dia de sol para dirigir pela Grand Pacific Drive, uma viagem de 140 quilômetros pela costa de Sydney até Woolloongong, passando por dentro do Royal National.

Eventos a céu aberto também são comuns, como apresentação de ópera em parques e festivais de gastronomia. Para os dias chuvosos, museus como o Australian Museum ou o Art Gallery of New South Wales são excelentes opções, sempre com exposições fantásticas e acervo sem igual.

Em 2016 decidimos juntar as escovas de dente e me mudei de vez para Sydney. Desde então venho vivendo uma vida menos turística, porem não menos interessante. Australianos são animados e gostam muito de socializar. Eles também dão muito valor à qualidade de vida, procuram praticar atividades físicas e apreciam ter equilíbrio na vida pessoal e profissional.

Vista de O Bar. Foto: Arquivo Pessoal

É comum ver pubs e bares lotados nas sextas-feiras após o almoço, por exemplo, quando muitos decidem começar o final de semana mais cedo. Um bom lugar para tomar um drink pós expediente é no O Bar, um bar giratório que permite uma incrível vista panorâmica da cidade.

O verão australiano é famoso, mas o inverno também tem suas belezas. Todo ano, no final do mês de maio e inicio de junho, as ruas de Sydney tornam-se uma atração à parte com o Vivid, um festival de luz, cores, som e ideias com diversos pontos de atração pela área central da cidade. As atrações vão desde projeções artísticas em construções famosas, como Ópera House e Customs House, até engenhocas que podemos interagir para produzir sons e cores.

Neste período há também atrações artísticas e musicais pela cidade e passeios especiais para apreciar o festival, como Vivid Cruise (um cruzeiro ao redor da Circular Quay), ou a escalada da famosa Harbour Bridge no fim de tarde, onde é possível ver as luzes do festival se acendendo pela cidade – fizemos este último passeio e recomendo!

Harbour Bridge. Foto: Arquivo Pessoal

A paixão por viagens me conectou com o amor da minha vida e juntos planejamos viver ainda muitas outras aventuras. Afinal, o mundo é grande, mas agora sabemos que qualquer distância é possível. 🙂

  • Natural de Santa Catarina, Jenisser Piva é formada em Psicologia, tem MBA em Recursos Humanos e já morou em Dublin, na Irlanda. Hoje vive feliz do outro lado do mundo!

 

Comentários

comentários